O perigo da nova lei de migração

A notícia de fevereiro,  deste ano, mostra as articulações para que a nova Lei de Migração se tornasse  uma realidade:

Londres pagará para países latinos e asiáticos receberem refugiados” ( 03, de fevereiro, 2017. Fonte: Estadão

BRITAIN-EU-POLITICS-BREXIT” O Reino Unido anunciou nesta sexta-feira que vai pagar para que refugiados deixem a Europa e se instalem na América Latina e na Ásia. A proposta foi apresentada pela primeira-ministra britânica, Theresa May, durante a cúpula da Europa em Malta.

O “Estado” apurou com fontes dos serviços de refugiados da ONU que o Brasil seria um dos países escolhidos para reassentar parte desses refugiados.”

O objetivo da primeira-ministra é financiar a infraestrutura para reassentar os milhares de migrantes que estão na Europa.

UK-islamists

O bom senso, que parece ter passado bem distante do Senado demonstra que esta Lei , não deveria ter sido aprovada. E para compreender os riscos da nova Lei de Migração é preciso observar o que motivou o “Brasil” (o Senado), a aprovar tal Lei.

É sabido, que a Inglaterra , bem como o restante da Europa, abraçou a causa dos REFUGIADOS. No entanto, a população percebeu, que muitos dos refugiados eram na verdade radicais, que se revelaram uma baita encrenca. Mas, a primeira-dama, que é muito esperta, resolveu “dar um “jeitinho” e se livrar do “problema”. Para tal, bastava enviar para o outro lado do oceano, um contingente expressivo de radicais e terroristas que tem causado diversos danos, sob a nomeclatura de refugiados. Em troca seriam repassados uns “trocados” para o país que se “solidarizasse com a causa”.

Isso significa que o Brasil receberá em libra para abrir as fronteiras, aos refugiados oriundos da Inglaterra?

Os valores recebidos, serão revertido para os brasileiros, para os refugiados, ou irão viajar em cuecas pelos ares do Brasil ?

ENCRENCA A VISTA

refugiados_imigrantes_espanha_madri  201511141024037435_ap

Acima duas imagens para a reflexão, sobre o tema da nova Lei de Migração.Na primeira, imagem um manifestante europeu ordena “Open the borders – Abram as fronteiras”. Na foto ao lado, um jovem francês chora, em um dos memórias feitos para vítimas de um ataques terroristas, assumidos pelo ISIS, que matou mais de uma centena de pessoas. Na ocasião o primeiro-ministro francês declarou:

“Vamos atacar esse inimigo e destruí-lo. Na França e na Europa, vamos perseguir os autores desse ato, e também na Síria e no Iraque. (Valls, primeiro-ministro francês)

Então os “refugiados” acolhidos pelos europeus tornaram-se inimigos? Mostraram-se na verdade, um grupo de maioria radical, que destila toda sua tolerância matando pessoas inocentes?

Sabe-se que existem exceções, e que há alguns que são refugiados de fato. Mas, borbulham na Europa, casos de agressões, violência, estupros e intolerância contra os cidadãos e a cultura dos países, que na tentativa de serem altruístas “abriram suas fronteira”.

Como é possível observar no cartaz abaixo, erguido com orgulho por manifestantes “refugiados” radicais, no centro de Londres, capital da Inglaterra. No cartaz está escrito ” Europe is the cancer Islam is the answer – A Europa é o câncer e o islamismo é a resposta” .

Islam-1

O cartaz de outro manifestante, registrado pelos meios de comunicação alertava que o “9/11 da Europa estava a caminho”, fazendo referência ao atentado, em 9 de setembro, as torres norte-americanas. Não é à toa que a primeira-ministra inglesa estava disposta a pagar , para “resolver” a questão dos refugiados.

Caminhando pela Europa e retornando a França, atingida por diversos ataques terroristas, como foi citado aqui. Encontram-se também, registros que foram instituídas áreas restritas, chamadas “no-go zones”, dominada por muçulmanos,seguidores da Lei Shariah. Nestas áreas os cidadão franceses não-muçulmanos, não podem exercer livremente o direito de ir e vir.

Agora, imaginem o que acontecerá aqui, no Brasil, se radicais travestidos de refugiados começarem a migrar indiscriminadamente?

Na Suíça, os “refugiados”, queimaram a bandeira do país que os acolheu em protesto, para que a cruz seja retirada da bandeira. Uma vez que, o cristianismo é veementemente perseguido pelos radicais. E não apenas o cristianismo, mas, toda e qualquer corrente de crença que não seja a  islamica.

Muslims-burning-Swiss-flag-680x365

Será que nossos santuários, como igrejas que abrigam obras de aleijadinho, e tantas outras que são tombadas como patrimônio histórico da humanidade, ou até mesmo as capelas cristãs mais simples cravadas nos bairros e comunidades do Brasil, serão poupadas do vandalismo de “refugiados” radicais ?

Estes “refugiados” que migrarão para o Brasil irão visitarão e apreciarão o santuário de aparecida do Norte, ou quem sabe abraçarão o Cristo Redentor ?

Alguém consegue imaginar “refugiados” como os que estão causando problemas na Europa, acompanhando pacificamente a lavagem das escadarias do Bonfim ?

Não se enganem acreditando, que locais dedicados as religiões afro seriam poupados por radicais sob o disfarce de “refugiados”, pois, isso não é fato.

O Estado é laico! Mas, o cidadão tem direito a liberdade religiosa. Inclusive, tem o direito de não acreditar em nada, por enquanto.

Mas, será que em no futuro do Brasil , que “abre as fronteiras” ainda será assim ?

Mas, deixemos a discussão religiosa de lado, vamos nos vendar com a premissa “o Estado é laico”, e permitir que nossas percepções atentem para um dos maiores problemas sociais da atualidade : O DESEMPREGO. Segundo estimativa apresentada no começo de 2017, o número de desempregados no Brasil atingiu a expressiva marca de 12,9 milhões de pessoas. Mas, parece que nossos governantes estão mesmo empenhados em garantir o crescimento do mercado de trabalho para a massa de radicais e aprendizes de terroristas, travestidos de refugiados, que serão beneficiados com o abrandamento da nova Lei de Migração.

Vamos, tirar os brasileiros e colocar os refugiados! Viva! Viva!

A ironia na exclamação acima, é para dar destaque as palavras do relator do substitutivo, para a nova Lei  aprovada – Tasso Jereissati (PSDB – CE)

“Brasileiros que saem, estrangeiros que entram, remessas que vêm, investimentos que chegam, capacitação e forças de trabalho e de inovação que se complementam. Isso é impulsionar o mercado de trabalho, e não o protecionismo”, defende o relator” (Fonte: Agencia Senado).

Brasileiros saem para onde?

Acaso “as fronteiras do mundo” se abrirão para brasileiros, indiscriminadamente, mesmo que não sejamos refugiados?

Será que a primeira-ministra, que anunciou pagar para livrar-se de refugiados, abrirá as fronteiras, da “terra da rainha”.

A Europa, ou qualquer outro país que abrigou os refugiados, que tem causado inúmeros problemas como retribuição, abrandarão sua Lei de Migração, para nós brasileiros, garantindo moradia e trabalho ?

Como o Brasil, nunca pensou nesta solução prática para gerar o crescimento do mercado de trabalho : SAEM BRASILEIROS, ENTRAM ESTRANGEIROS. A ilustração abaixo traduz, bem como isso funcionará para os brasileiros.

Até é possível compreender que ao propor a nova Lei de Migração, o relator possa ter em mente imigrantes, de diversas nacionalidades, inclusive refugiados de períodos de guerra, que adotaram a nossa amada pátria, Brasil, e contribuíram significativamente para o crescimento e a maravilhosa miscigenação do nosso povo. E tudo isso nos deixou uma cultura riquíssima.

Andar por cidades cosmopolitas como São Paulo, por exemplo, é sempre uma oportunidade de interagir com pessoas originarias de qualquer lugar do mundo. Isso sem falar, das deliciosas contribuições a culinária, e as manifestações culturais, dos tradicionais bairros de imigrantes.

No entanto, é preciso lembrar, que o Brasil, já vivenciou um processo imigração descontrolada, quando outras “levas” de imigrantes chegaram até aqui, em situação muito similar a proposta pela primeira-ministra inglesa. Ora, quem não se lembra daquela história, de Portugal e Espanha,que precisavam livrar-se de de degradados, que causavam problemas a sociedade daquela época, então os enviaram para “além mar” em troca do perdão das penas de prisioneiros, dividas,etc.

A estes degradados foram entregues autoridade, títulos, dinheiro, “pompa e circunstância”, como resultante dessa “solução” criada por Portugal, Espanha, e outros, o Brasil herdou mazelas como : violência, escravidão, injustiça, mortes, roubos e corrupção (nosso maior algoz). E não poderia ser diferente, se tais mazelas eram regras de conduta dos degradados “imigrantes”, sob a nomenclatura de “colonizadores”, que aqui chegaram. Não é de se admirar que o problema de superlotação do sistema prisional brasileiro , é datado desde o período do Brasil Colonial.

Por isso é necessário perguntar:

Como o Brasil saberá se os “refugiados” e imigrantes beneficiados pela nova Lei, são pessoas de bem que querem contribuir com o país, ou radicais e potenciais riscos a toda sociedade brasileira, quando a Lei que era parâmetro e filtro para tal situação, foi modificada, tornando-se mais light ?

Por conhecer o Brasil, de fato, e não apenas por ouvir falar ou ver na televisão, posso afirmar categoricamente: Somos um povo hospitaleiro e solidário ! E por isso mesmo, destaco os questionamentos a seguir:

Essa nova lei que busca garantir moradia e emprego para estrangeiros, enquanto no Brasil, a população amarga o desemprego, existem regiões sem luz, sem água, sem saneamento básico, não beira o absurdo?

Então, não há condições de melhorar o Brasil para os brasileiros, mas podemos abrigar uma massa de refugiados e todas as implicações e problemas que isso poderá trazer para o país?images

Afinal, que impactos a nova Lei de Imigração  trará para a democracia brasileira, ainda em fase de amadurecimento, e que tem enfrentado inúmeros problemas graves recentemente ?

O futuro do Brasil sob o manto da nova Lei de Migração é duvidoso. Visto que, aparentemente, alguns “refugiados” que hoje fazem barulho na Europa e podem imigrar para o Brasil, nem sequer querem viver em uma democracia.

 

Correspondente: Gizz Sousa 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *